quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Tributo a um Autêntico Gaúcho

Foto Pedro Nunes - Arquivo Correio do Povo
   Não há figura humana que melhor simbolize o gaúcho, na essência da palavra, do que Paixão Côrtes. Tudo nele respira, transpira, transmite tradicionalismo, nativismo, o autêntico e puro gaúcho, não limitado a fronteiras geográficas e políticas. É o gaúcho universal, de alma livre, que cultua os valores da liberdade. O lado visível do Paixão Côrtes, corpo, forma do corpo, expressão corporal, gestos, roupa, linguagem refletem, para os demais, os valores interiores para os quais dedica a vida inteira: a cultura do gaúcho e as manifestações folclóricas do povo.

   Nele tudo é autêntico, natural. Sintonia perfeita entre corpo e alma, entre teoria e prática, entre a ação e o conhecimento. Desde a infância, incorporou as energias telúricas, as manifestações da cultura popular, o mais ingênuo e genuíno do gaúcho universal. Não há necessidade de que ele fale. A manifestação desses predicados está implícita, visível, gritante em sua simples presença física. Nada simples, sempre presença mítica, que se impõe naturalmente pela força de seu corpo e de sua alma. Ele vive, pensa, pratica, em todos os momentos, a vida inteira, os valores da alma gaúcha. Como ninguém os testemunha e deles faz a razão de sua própria existência. Caracteriza-se seu dia a dia pela síntese perfeita do conhecimento teórico, da pesquisa incessante com a vivência prática e contínua do gaúcho. 

    Se alguém pudesse incorporar o sentimento gaúcho, do pampa, sem fronteiras, sem limites, outra pessoa não seria senão o João Carlos Paixão Côrtes.
      Aliás, ele não é um ator, no sentido de representar; sua pessoa, na vivência diária, é o próprio ator, representante vivo do tradicionalismo, intenso, puro, espontâneo, verdadeiro. Nada nele é representação ou imitação. Tudo é vivência e crença.

    Para Paixão Côrtes, a tradição não é ditada ou ensinada. Está na voz do povo, nas manifestações colhidas na nascente de nossa gente. Ele bebe desta fonte: a sabedoria popular, expressa em cantos, danças, ditos, festejos, crenças, lendas. O povo, para ele, sempre tem razão, pois é a gênese das manifestações. Por isso, Paixão Côrtes também é um grande folclorista, com visão larga, universal, longe de radicalismos ou bretes de disputas locais.

     Em 12 de julho de 1927, nasceu em Sant'Ana do Livramento o autêntico gaúcho, o radialista, o pesquisador, verdadeiro orgulho do Rio Grande do Sul e do Brasil.  E o povo quis que a cidade de Porto Alegre, onde Paixão Côrtes veio a residir e trabalhar, tivesse justamente na sua figura a representação viva. Em plebiscito, concorrendo com o pôr do sol do Guaíba e a Usina do Gasômetro, o povo, na sua sabedoria, escolheu a estátua O Laçador como símbolo da cidade de Porto Alegre.

     Paixão Côrtes é lenda viva, pelas ruas da Capital, em andanças no interior do Estado, pelo Brasil e além fronteiras. Com certeza, ninguém se iguala a ele pelo que fez ao liderar o Movimento Tradicionalista Gaúcho e, com isso, desencadear o surgimento de Centros de Tradições Gaúchas em todos os lugares do mundo. Seu mérito maior, porém, foi o de resgatar os valores campeiros, a autêntica vida campestre, com seus costumes, danças, bailes, cantos de todas as etnias, reconhecendo a contribuição dos negros, dos índios, dos nativos e dos imigrantes. Ele não vê o tradicionalismo gauchesco como uma faceta estanque da cultura rio-grandense. Avança a par e passo à modernidade, sem fazer modismos, sem esquecer a seiva profunda da terra e as heranças dignas de nossas raízes avoengas, com vistas além do horizonte. Paixão Côrtes é fiel ao passado, é momento vivo e é visão às novas gerações.

Porto Alegre, 12 de julho de 2010.
Professor e escritor Ari Riboldi

(Texto extraido da publicação "Paixão e o Momento ...", de 2010, integrante do Projeto Mogar)


3 comentários:

  1. Otima idéia, enfim uma forma de divulgar e preservar o lendário Paixão Cortes no mundo virtual, já que no real, o homem já é até monumento. Parabéns.
    Abraços
    Jorge Barcellos

    ResponderExcluir
  2. Finalmente teremos a oportunidade de usando a modernidade conhecer o mais autentico dos gaúchos, vivo. É muito bom este resgate, pois ter acesso a vida desse homem é na sua excencia aprender a ser mais humano, dedicado, enfim, homem.

    ResponderExcluir
  3. Que maravilha poder estar mais perto desta pessoa que admiramos tanto... Este espaço é fundamental!!!! agradeço e vamos estar aqui sempre...

    Eduardo e Michélle
    Itajaí - Santa Catarina

    ResponderExcluir